Ir para conteúdo

| O Resgate – O Dia de Redenção | Crítica

O Resgate – O Dia de Redenção acerta no tom político, mas erra nas cenas de ação, porém consegue ser eficiente na missão de entreter. Confira a crítica completa do filme que acaba de chagar nas plataformas NOWLookeVivo PlayGoogle PlayMicrosoft e iTunes 

O militar Brad Paxton (Gary Dourdan) retorna aos Estados Unidos como um herói de guerra, após salvar colegas durante a invasão à Síria. Ele ainda sofre com os traumas do confronto, quando sua esposa, uma arqueóloga famosa (Serinda Swan), é sequestrada por terroristas entre o Marrocos e a Argélia. Brad precisa retornar à África para salvá-la.

O longa dirigido por Hicham Hajji (Depois do Apocalipse) traz uma narrativa comum ao cinema, afinal, quando filmes não vemos um homem apaixonado fazendo de tudo para trazer a amada com vida, de volta? A diferença aqui é que temos uma missão de resgate no meio do Marrocos. 

A história conhecida também é carregada de clichês dos homens fortes e ‘poderosos’, pois eles resolvem as situações com facilidade. E ainda fazem isso sem tomar um tiro ou suar. O roteiro escrito pelo diretor usa tudo isso, porém ele busca mostrar a politicagem por trás de uma operação como essa. Esse é o principal acerto de O Resgate, de focar nos bastidores da operação do que trocar tiros com os locais a cada cena.

Estes elementos ficam mais em evidência também às boas atuações de Andy Garcia e Martin Donovan, que fazem o embaixador dos Estados Unidos no Marrocos e um agente do governo, respectivamente. Há muitos embates de diálogos entre os dois por justamente terem opiniões diferentes na operação em específico e como responder a tudo isso. Os dois chegam até a ofuscar o protagonista em alguns momentos.

Falando em protagonista, Gary faz um trabalho ‘ok’ no filme, por justamente ele ter uma alma a lá Tom Cruise que consegue resolver todos os problemas rapidamente, ser um grande soldado e querer sua esposa sã e salva. Ele tem uma abordagem diferente dos políticos, que é até esperada, mas ele conseguir informações sem nenhum esforço e se infiltrar no grupo inimigo sem levantar suspeitas, é quase um super poder. 

É interessante ver um filme deste tipo se preocupando com elementos que longas do mesmo gênero costumam deixar de lado, mas deve-se ter o mesmo apreço de qualidade nas cenas de ação. Aqui elas estão reduzidas a pequenas cenas e o ato final (Esperado), mas acabam focando no ‘super poderes’ do protagonista que quase realiza tudo sozinho, além de fazer o grupo terrorista parecer desorganizado, e ineficaz em atirar em um pequeno grupo de soldados.

Estas mesmas cenas tem problemas na montagem final, o diretor tenta mostrar várias batalhas em pequenas cenas, como subtramas, mas há muitos cortes durante elas, ele mostra uma briga, depois outra, e mais outra. E só ao final finaliza cada uma delas. Falou um pouco de dinamismo. 

O Resgate – O Dia de Redenção acaba sendo um filme médio justamente por isso, acerta alguns lugares e erra em outros, e estes acertos são ótimos e os erros pelo menos não são grotescos. 

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Facebook: facebook.com/naoparecemaseserio

Instagram: @npmes

Twitter: @PareceSerio

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: