Cinema, Crítica de Filme

Fervo | Crítica

Mesmo te divertindo e com ótimas piadas, Fervo tem bons temas e sabe separar os momentos sérios dos engraçados. Confira a crítica completa.

Renata Gaspar(Lara), Rita Von Hunty(Mo Nanji Manhattan), Felipe Abib(Leo), Gabriel Godoy(Diego) e Dudu Azevedo(Jorge) Foto: Cesar Alves

Em Fervo, três fantasmas irreverentes ficam presos em uma casa e assombram os novos moradores na tentativa de finalizarem sua missão na Terra. Quando um casal de arquitetos (interpretados por Felipe Abib e Georgianna Goes) se muda para o casarão e decide fazer uma reforma, descobrem que o local havia sido uma casa de festas chamada “Fervo” e passam por uma série de mal-entendidos.

Em uma atmosfera de Os Fantasmas Se Divertem (1988), o longa dirigido por Felipe Joffily (Nas Ondas da Fé) parece inofensivo, uma simples diversão com piadas acertadas, brincando com o fato de apenas um do casal poder vê-los, mas quando os atos passam, há como perceber que o filme buscará outros pontos.

Para isso ele se utiliza do bom elenco secundário, como Paulo Vieira, para melhorar o ritmo e aos poucos colocar temas que são raros em comédia, não que não são usados, aqui eles são tratados com seriedade e com a sua devida importância.

O núcleo de fantasmas composto por Renata Gaspar, Rita Von Hunty e Gabriel Godoy são ótimos, primeiro pela química em tela, e por terem uma diversidade de opiniões e características. Além de um timing centrado e interações intensas, o roteiro trabalha elementos para todos, principalmente seu passado.

Felipe Adib(Leo) Foto: Cesar Alves

E quando os vivos e os mortos temos as cenas de comédia, que são hilárias, que não só incorporam as diferentes pessoas, mas como o tempo eles saem de alívios cômicos, para narrativas densas, e olha que estamos falando de morte em uma comédia.

O leve terror é ótimo pelo cenário criado pela casa e por não conhecermos bem os fantasmas, porém toda essa atmosfera é ‘quebrada’ por cenas divertidas e inspiradas momentos da história.

Até mesmo o local que precisa ser reformado, tem sua importância. Além de ser utilizado como um grande cenário, ele é mostrado como o relacionamento dos protagonistas, como se eles também necessitam das mudanças, conforme o prédio melhora, os dois também crescem, mesmo que seja nos detalhes.

Trabalhar elementos como a morte, com uma forma leve, é o principal desafio de Fervo, pois este gênero é sempre visto como irreverente. Aqui a proposta até mantém a estrutura, mas é claro que ele pretende ser abrangente, e principalmente de dar uma lição pós sessão. 

Gabriel Godoy(Diego), Rita Von Hunty(Mo Nanji Manhattan) e Renata Gaspar(Lara) Foto: Cesar Alves

O fechamento de ciclos, não fica restrito apenas aos fantasmas, isso também é aplicado aos vivos, com outras abordagens, claro, mas de uma forma que enche os olhos, de uma que faça sentido e baseada no real. Há como buscar identificação neles.

Mesmo nos fantasmas, há como encontrar sentimentos como amor, saudade e companheirismo, que muda, claro, a atmosfera do filme, porém a construção é leve e transparente, te emociona, mesmo que em pequenas cenas. 


Fervo é uma surpresa, nada do que foi mostrado antes, mostrou corretamente suas intenções.

Nota: 4/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Me acompanhe nas redes sociais e no canal: Youtube /Instagram / Tiktok / Facebook

Um comentário em “Fervo | Crítica”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s