Cinema, Crítica de Filme

| A Colmeia | Crítica

A Colmeia usa os personagens para mostrar os detalhes da época e traz um bom retrato do período mostrado. Confira a crítica completa

Crédito: Bruno Polidoro

Um grupo de imigrantes alemães vive em isolamento no interior do sul do Brasil. Ali eles são oprimidos pela iminência de agressores externos, mas também pela  fome e pelo colapso da união do grupo.

O longa dirigido por Gilson Vargas mostra a época de imigração brasileira, principalmente na região Sul do Brasil. E a pressão que este grupo sofre é um bom pretexto para um thriller psicológico. Eles têm uma rotina dura, pesada e exaustiva e com isso os problemas vão surgindo aos poucos. 

O roteiro faz o certo para um longa deste tipo, de deixar aquele sentimento que algo está errado a todo o momento, mas aqui os vilões são as próprias pessoas. E aos poucos vamos entendendo suas motivações e principalmente como eles tomam as decisões que culminaram com este lugar. 

A narrativa se desmancha a partir da oportunidade de um filhos ir para a escola. E isso desencadeia a personalidade dos outros personagens, principalmente do pai autoritário. 

A abordagem de elementos como xenofobismo estão presentes em pequenas cenas, como quase tudo nesse filme. Tudo aqui ocorre em cenas específicas, mesmo com o diretor utilizando planos mais longos com amplos diários, por isso acabamos tendo a sensação que cada personagem tem uma abordagem específica para a trama principal.

Crédito: Bruno Polidoro

Os elementos podem ser pincelados, mas são todos fortes e bem colocados. Há uma preocupação em cadência de narrativa e algum sentido entre eles. Há poucas pontas soltas, a maioria tem um motivo, que mesmo não façam sentido no momento que ocorrem. 

A fotografia é excelente para este tipo de filme, por causa da época (obviamente) há muita luz de vela. E quando vemos um filme deste tipo, há algumas desculpas para uma nova fonte de luz, a vela fica como um acessório de cena. Aqui não, os pontos de luz vêm destes objetos, o máximo que percebemos é a posição destes elementos para facilitar algo, por isso espere muitas cenas com luz natural e velas bem posicionadas.

O retrato dessa família é sempre intimista, a trama foge muito pouco dos familiares. Para justamente deixar claro as interações e motivos de cada um. Até uma simples refeição temos simbolismos e eles tentam distanciar aquela imagem de índios e dos habitantes da região.

O problema acaba sendo no excesso de jump scares e na tentativa de assustar o espectador em momentos que não possuem elementos de terror. A história vai aos poucos entrando no entendimento do espectador, assustá-lo sem motivo não é tão necessário em alguns momentos.
A Colmeia tem um ar de filme de interior e simples, mas ele consegue entreter com um boa história e explora os personagens para uma trama multi. E aliado a isso, uma fotografia forte e um elenco bem entrosado, mas o excesso de simbolismo e jump scares podem atrapalhar a experiência em alguns momentos.

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Me acompanhe nas redes sociais e canal: Youtube / Instagram / Twitter / Facebook

Um comentário em “| A Colmeia | Crítica”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s