Ir para conteúdo

| O Charlatão | Crítica

Em um filme que busca explicar e não acusar, O Charlatão mostra que a história de uma pessoa precisa ser mostrada com cuidado e com detalhes. Confira a crítica completa.

A vida de Jan Mikolášek, um curandeiro tcheco conhecido e bem-sucedido, que diagnosticou e curou pessoas usando sua intuição e sua familiaridade com as plantas. Seus remédios e prescrições, embora principalmente à base de plantas, incluíam mudanças no estilo de vida e na dieta alimentar. Ele curou não apenas pessoas pobres das aldeias, mas também muitas pessoas conhecidas, incluindo o presidente da Checoslováquia, Antonin Zápotocký. Os métodos de diagnóstico e cura notórios de Mikolášek chamaram a atenção do regime comunista tcheco. Ele foi finalmente preso depois que estricnina foi encontrada nos corpos de dois homens que ele havia tratado.

A diretora Agnieszka Holland sabe da importância da história que tem em mãos, e não traz um filme biográfico comum, temos aqui um filme cheio de camadas, mostrando toda a vida do protagonista com proximidade, além de fazer uma jornada que traz o presente e o passado do protagonista em uma montagem que mescla estes dois momentos

Essa abordagem diferente é inusitada pelo andamento da história que vemos, ele tem um primeiro ato linear sem grandes mudanças, ao avançarmos na história essa troca de linhas temporais é mais presentes e sempre feita de uma forma certeira, agregando detalhes.

O protagonista tem uma ascensão que o longa acaba dando mais protagonismo, afinal é uma medicina alternativa que é apresentada focando no lado humano do personagem. Mostrando que ele acredita que está fazendo o certo e que está curando pessoas.

Claro, que não temos uma pessoa perfeitas, as linhas do tempo são para justamente mostrar que os problemas não são no tratamento e sim na sua vida pessoal. Essa humanização da pessoa real é essencial para trazer empatia para o espectador e mostrar que a perfeição não existe.

A troca de passado e presente é sutil e caminha bem pelo filme, não se trata de uma estratégia de mudar a narrativa no momento de alguma revelação. A diretora usa estes recursos como elemento narrativo e contemplativo. E ainda altera as cores de cada momento, temos um passado mais claro e colorido e um presente mais escuro e cinza.

Apenas alguns elementos fora de Jan e um pouco fora do esperado, como ele tratou pessoas importantes do governo e após isso é acusado de colocar estricnina nos medicamentos. Não fica claro que isso é um erro, uma puxada de tapete ou problemas internos no governo. A mudança de postura é abrupta em alguns atos e geram confusão, algo que não condiz no filme como um todo.

O longa também trata o amor entre os protagonistas da forma correta e com realismo, o relacionamento homoafetivo aqui é um subtrama que aborda os principais problemas da época, e mesmo um pessoa que busca curar o máximo de semelhantes possíveis, poderia ser visto como errado e até ser morto por isso. A diretora imprime as emoções na tela aliada a atuação de Ivan Trojan e Juraj Loj.

 As atuações da dupla trazem muita cumplicidade já que trabalham juntos, as cenas mostram de como cada um percebe o relacionamento. E como quer viver este amor a sua forma e vontade, isso traz realidade ao abordar que o amor é diferente para cada um.

O Charlatão é um filme de narrativa real que busca mostrar toda a vida do protagonista, dentro e fora do consultório, sem esconder nada do espectador, para que ele julgue o certo e errado e se os métodos mostrados, sem a parte medicamentosa, se é abordagem correta para aquela situação.

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Facebook: Facebook.com/naoparecemaseserio

Instagram: @npmes

Twitter: @PareceSerio

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: