Ir para conteúdo

| AmarAção | Crítica

Em um filme inventivo e divertido, AmarAção mostra que o cinema brasileiro consegue trazer boas histórias de amizade e relacionamentos mesmo com pouca verba. Confira a crítica completa.

Depois de se separar de sua esposa, Erick (Eric Belhassen) desenvolve sintomas físicos e psicológicos (Ele escuta a voz da ex) e acredita que foi “enfeitiçado” por ela. Ao mesmo tempo, seu melhor amigo Caco (Caco Ciocler) também está se separando e já pensa em recuperar seu amor por magia. Finalmente, os dois terão que se redimir com as suas ex-mulheres para saber a verdade sobre a magia do amor.

O longa produzido pela Boca a Boca Filmes, tem a direção, roteiro e atuação de Eric Belhassen e este excesso de ‘cargos’ fez até que bem ao longa, pois temos uma boa comédia romântica, feito com pouco investimento, mostrando o quanto o cinema nacional é iventivo e criativo.

AmarAção faz uma história dentro do esperado do gênero, mas deixando o enfoque nos homens e seus problemas com as mulheres, e como temos dois homens com dois problemas diferentes, isso dá ritmo ao filme. E percebemos que Eric e Caco tem uma química de amizade. Afinal um amigo brinca com o outro quando há um problema.

Caco inclusive tem um papel interessante, não pelo fato de fazer um ator, mas sim pelo fato que ao observar a rotina temos ‘um filme dentro do filme’ que fica de lado na narrativa, mas preste atenção em algumas cenas. Há uma preocupação em brincar com o espectador com essa sensação.

Enquanto os homens estão bem nos seus papéis, as mulheres da trama estão caricatas, principalmente a sogra de Caco que parece extraída de um filme da Disney, onde ela faz de tudo para terminar o relacionamento da filha com um dos protagonistas. Nada de novidade aqui.

O roteiro usa o personagem de Eric para falar de religião e alguns elementos que elas possuem para unir um casal. Aqui temos aqui um elemento místico que é tratado como respeito e devidamente explicado. E foi uma boa ideia colocar um personagem cético a tudo isso (Caco) para interagir também.

A falta de investimento se percebe nas filmagens, não que seja mal-feita ou amadora, temos planos que privilegiam o todo e as interações entre os atores. Cenas com bastante luz ambiente. As tomadas diferentes ou criativas ficam restritas a essa abordagem de vermos um filme dentro do filme.

A história também trabalha não só uma crise no relacionamento, mas a sensação de superar e seguir em frente, de procurar uma forma de continuar. Ou de entender aquela mistura de sentimentos que temos quando nos estamos com alguém. O roteiro soube trazer isso para a tela com realidade, e não usar a religião com o único ponto possível para ‘quebrar’ essas emoções. Aqui ela é mais uma válvula de escape e com busca de respostas.

AmarAção não é um grande filme, mas traz uma história concisa, dentro do que esperamos e sem grandes surpresas. O roteiro soube trazer alguma realidade, sobre relacionamentos, principalmente por ter dois protagonistas diferentes com problemas distintos. E principalmente trouxe a religião como um ponto de fuga. E é importante perceber de como a cultura brasileira consegue fazer um bom filme usando recursos limitados.

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Facebook: facebook.com/naoparecemaseserio

Instagram: @npmes

Twitter: @PareceSerio

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Um comentário em “| AmarAção | Crítica Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: