Ir para conteúdo

| Nicho 54 | Mostra de cinema será online e gratuita

NICHO 54 promove mostra de cinema para debater a construção da identidade negra em 10 países da América Latina. Com programação online e gratuita, iniciativa traz 35 filmes realizados ao longo de 20 anos  

Entre os dias 04 e 13 de junho, o NICHO 54, instituto que atua no desenvolvimento de carreira de profissionais negros no audiovisual, promove a mostra online “América Negra: Conversas Entre as Negritudes Latino-americanas”. Com acesso gratuito, a programação será formada por 35 filmes produzidos em 10 países diferentes e divididos entre ficções, documentários e obras experimentais. A iniciativa tem o apoio da Open Society Foundations.

A curadoria da mostra propõe uma reflexão sobre a descentralização dos Estados Unidos como principal campo do olhar de produções audiovisuais que retratam as vivências pretas da diáspora. A seleção contempla filmes produzidos ao longo dos últimos 20 anos, que convidam o público a mergulhar num diferente imaginário cinematográfico e racial sobre esses territórios da América Latina.

A programação da mostra será aberta no dia 04 de junho com a exibição de três filmes que têm em comum a dança, a música e a ancestralidade como fios condutores das narrativas. São eles: o mexicano Diabinhos, diabinhas e alminhas, de Isis Violeta Contreras Pastrana; o uruguaio Tambores afro-uruguaios, de Naouel Laamiri e Rafael Ferreira – e, fechando a programação de estreia, o longa Del palenque de San Basilio, de  Erwin Goggel, profundo documento visual e sonoro elaborado ao longo de 17 anos na cidade de Cartagena Índias, na Colômbia.  

A produção colombiana, inclusive, é um dos destaques da mostra e vem representada por oito títulos no total. Entre eles, o celebrado  curta-metragem Palanque, de Sebastián Pinzón Silva, e o longa-metragem Saudó, labirinto de almas, de Jhonny Hendrix Hinestroza, diretor de Candelaria,  filme premiado no Festival de Veneza de 2017. 

Outras obras internacionais de destaque são o venezuelano Belén, la reina del quitiplá, de Adriana Vila Guevara, o mexicano Nana Dijo, do rapper Bocafloja, e Afroargentino, filme dirigido por Jorge Fortes e Diego Ceballos, que revela as contribuições da população negra para a cultura e a sociedade argentina. A mostra traz ainda filmes de Cuba, Equador, Peru e Bolívia.

Representada por 11 títulos, a produção brasileira marca presença com obras de diferentes estilos e linguagens. Destaque para a estreia de Invazão Brazil, de Laryssa Machada, e (Outros) Fundamentos, da artista visual Aline Motta, que traz imagens captadas nas cidades de Lagos, na Nigéria, em Cachoeira, na Bahia, e no Rio de Janeiro, destinos que representam a jornada da diretora em busca de suas raízes. 

Os 35 filmes que compõem a mostra serão exibidos por meio da plataforma de streaming exclusiva Sala 54: www.sala54.com.br , que abrigará todas as mostras online de filmes do NICHO 54. Cada título ficará disponível para acesso por um período de 43 horas a partir da data de estreia no site. 

“A programação convida o público a fazer um ‘mochilão’ cinematográfico pela América Latina, tendo a negritude como acompanhante privilegiada dessa jornada. Esta mostra possibilita ainda que a plateia acesse manifestações culturais da diáspora, descubra os diversos marcadores de racialização presentes nestes territórios e encontre paralelos entre as experiências de racismo e resistência à opressão na América Latina”, explica Heitor Augusto, codiretor do NICHO 54 e diretor curatorial da mostra, que contou também com aportes curatoriais de Bruno Galindo, Gabriel Araújo, Kariny Martins e Mariana Souza.

CURSO DE FORMAÇÃO: 

A mostra de cinema será antecedida pelo curso ”Discursos Acerca das Negritudes Latino-americanas”, a ser realizado entre os dias 31 de maio e 03 de junho, sempre das 19h às 21h30. A atividade é composta por quatro encontros focados em um país diferente, com o objetivo de oferecer uma perspectiva da formação da identidade negra em diferentes territórios da região. 

O curso será aberto com o encontro da Colômbia “Diálogos de fronteira: Perspectivas afro-colombianas e negro-brasileiras”, conduzida pelas artista Stéphanie Moreira em conjunto com a artista plástica Liliana Angulo Cortés. Na aula seguinte, o público terá acesso à perspectiva argentina, com a masterclass “Também somos negros! A Argentina e os aportes da população Afro”, com a professora Miriam Cortez. 

No dia 02 de junho, será a vez da masterclass “México: racialização e diálogos afro-indígenas”, com o rapper Bocafloja. A formação será concluída com aula “Lélia Gonzalez e a Améfrica Ladina: notas sobre racialização a partir do Brasil”, ministrada por Flávia Rios, socióloga, professora adjunta da Universidade Federal Fluminense (UFF) e coorganizadora do  livro “Por um feminismo latino-americano: Lélia Gonzalez”. 

Serão oferecidas 30  vagas para o curso. Os interessados podem se inscrever pelo link disponível aqui até o dia 25 de maio. As pessoas selecionadas serão informadas pelo e-mail indicado no formulário de inscrição. 

SOBRE O NICHO 54: 

Dirigido por Fernanda Lomba e Heitor Augusto, o Instituto NICHO 54 visa fomentar a presença negra no audiovisual. Incorporando perspectivas de gênero, classe e orientação sexual, atua na estruturação de carreiras de pessoas negras com vistas a posições de liderança criativa, intelectual e econômica. 

O projeto está estruturado em três pilares: Formação, que compreende a capacitação para jovens profissionais exercerem distintas funções na cadeia do audiovisual e o fomento de cultura cinematográfica para esses agentes; Curadoria, cuja ênfase está na formação do olhar e de disputa do imaginário. Nossas ações exercitam o olhar tanto na programação de filmes para o público em geral quanto na oferta de oficinas e vivências curatoriais para jovens profissionais negros; e Mercado, com ações de estímulo à aproximação entre profissionais e a indústria, bem como atuando na sensibilização de agentes contratantes e realização de ambientes de mercado para projetos de realizadores negros. 

O NICHO 54 nasce em diálogo com experiências internacionais que tratam da reparação dos cenários de exclusão de raça e gênero no audiovisual, como o programa Diversity no European Film Market (Berlinale) e Diversity in Cannes (Festival de Cannes). 

SERVIÇO: 

O quê: Mostra – América Negra: Conversas Entre as Negritudes Latino-americanas 

Quando: de 4 a 13 de junho de 2021 (segunda a domingo)

Onde: exibições online pela plataforma Sala 54, disponível em www.sala54.com.br.  

Quanto: Grátis

O quê: Curso Discursos Acerca da(s) Negritude(s) Latino-americana(s) 

Quando: 31 de maio a 3 de junho de 2021

Horário: Das 19h às 21h30 (horário de Brasília)

Onde: Transmissão via plataforma Zoom

Inscrições: até o dia 25 de maio de 2021 – Inscreva-se por aqui

 Programação de filmes  

04 de junho 

Filme: Diabinhos, diabinhas e alminhas (“Diablitas, diablitos y almitas. Danzando la vida y la muerte)

Documentário, México, 2015, 21 minutos

Direção: Isis Violeta Contreras Pastrana

Filme: “Tambores afro-uruguaios” (Tambores afro-uruguayos)

Documentário, Brasil/Uruguai, 2017, 15 minutos

Direção: Naouel Laamiri, Rafael Ferreira

Filme: “Del palenque de San Basilio” (Del palenque de San Basilio)

Documentário, Colômbia, 2003, 80 minutos

Direção: Erwin Goggel

 05 de junho 

Filme: “Negra” (Negra)

Documentário, México, 2020, 72 minutos

Direção: Medhin Tewolde Serrano 

Filme: “Mutações do racismo: a experiência de um jovem universitário” (Mutaciones del racismo: la experiencia de un joven universitario)

Documentário, Colômbia, 2016, 14 minutos

Direção: Jonathan Hurtado Carabali

Filme: “Olhos de erê” (La mirada de un erê)

Documentário, Brasil, 2020, 11 minutos

Direção: Luan Manzo

Filme: “Amarração” (Amarradero)

Experimental, Brasil, 2020, 7 minutos

Direção: Hariel Revignet 

Filme: “Assim que é, e daí?” (Ukamau y ké)

Documentário, Bolívia/Equador, 2017, 86 minutos

Direção: Andrés Ramírez

Filme: “Herança de um povo” (Herencia de un pueblo)

Documentário, Peru, 2016, 12 minutos

Direção: Carmen Román

06 de junho  

Filme: “Palenque” (Palenque)

Documentário, Colômbia, 2017, 25 minutos

Direção: Sebastián Pinzón Silva 

Filme: “Tambores de água” (Tambores de agua)

Documentário, Venezuela, 2009, 53 minutos

Direção: Clarissa Duque 

Filme: “(Outros) Fundamentos” ( (Otros) Fundamentos)

Experimental, Brasil, 2017-19, 16 minutos

Direção: Aline Motta

Filme: “Farías, uma história de amor afro-uruguaia” (Farías, an Afro Uruguayan Love Story)

Documentário, Uruguai/EUA, 2016, 12 minutos

Direção: Pamela Harris

Filme: “Afro-argentinos” (Afro-argentinos)

Documentário, Argentina, 2003, 75 minutos

Direção: Jorge Fortes, Diego Ceballos

Filme: “Tita, tecendo raízes” (Tita, tejedora de raíces)

Documentário, México, 2018, 20 minutos

Direção: Mónica Morales García 

Filme: “Invazão Brazil” (Invazión Brazil)

Experimental, Brasil, 2021, 10 minutos

Direção: Laryssa Machada

 07 de junho:  

Filme: “O bairro das mães solo” (El barrio de las mujeres solas)

Documentário, Equador, 2013, 67 minutos

Direção: Galo Betancourt

Filme: “Luz para elas” (Luz para ellas)

Documentário, Cuba, 2017, 27 minutos

Direção: Celina Escher 

Filme: “Érica” (Érica)

Documentário, Brasil, 2017, 4 minutos

Direção: Camila Camila, Érica Jesus Silva

08 de junho

Filme: “Egum” (Egum)

Ficção, Brasil, 2019, 23 minutos

Direção: Yuri Costa

Filme: “Saudó, labirinto de almas” (Saudó, el laberinto de almas)

Ficção, Colômbia, 2016, 86 minutos

Direção: Jhonny Hendrix Hinestroza

Filme: “O túmulo da terra” (La tumba de la tierra)

Experimental, Brasil, 2021, 12 minutos

Direção: Yhuri Cruz 

09 de junho

Filme: “Chimbumbe” (Chimbumbe)

Ficção, Colômbia/México, 2008-2009, 13 minutos

Direção: Antonio Coello

Filme: “Essa gente precisa de um morto”  (Este pueblo necesita un muerto)

Documentário, Colômbia, 2007, 50 minutos

Direção: Ana Cristina Monroy 

Filme: “Macumba de travesti, feitiço de bixa”: malva (Macumba de travesti, feitiço de bixa: malva)

Experimental, Brasil, 2019, 6 minutos

Direção: Castiel Vitorino Brasileiro

10 de junho

Filme: “Gertrudis Blues” (Gertrudis Blues)

Documentário, México, 2002, 10 minutos

Direção: Patricia Carrillo

Filme: “Clandestyna” (Clandestyna)

Documentário, Brasil, 2018, 22 minutos 

Direção: Duca Caldeira 

Filme: “Candombe do Açude: o passado contado pelo canto. Ep. 1: Pandemia – Isolamento ou Respiro?” (Candombe do Açude: El pasado contado por el canto. Ep. 1: Pandemia: Aislamiento o respiro?)

Documentário, Brasil, 2020, 29 minutos 

Direção: Danilo Candombe

Filme: “Nana dijo: uma flutuante radiografia da consciência negra” (Nana dijo: Irresolute Radiography of Black Consciousness )

Documentário, México, 2016, 38 minutos

Direção: Bocafloja, em colaboração com Cambiowashere

Filme: “Nem livre, nem assalariado” (Ni libre, ni asalariado)

Documentário, Colômbia, 2017, 31 minutos

Direção: César A. Tapias H., María Ochoa

11 de junho

Filme: “Belén, a rainha do quitiplá” (Belén, la reina del quitiplá)

Documentário, Venezuela, 2016, 95 minutos

Direção: Adriana Vila Guevara

Filme: “Ela virá: a presidenta” (Ella vendrá – La presidenta)

Ficção, Equador, 2018, 10 minutos

Direção: Coletivo Ojo Semilla

 12 de junho

Filme: “Suspeitos” (Sospechosos)

Documentário, Equador, 2010, 50 minutos

Direção: David Lasso 

Filme: “Acervo ZUMVI” (Acervo ZUMVI)

Documentário, Brasil, 2020, 36 minutos

Direção: Iris de Oliveira 

Filme: “Urabá: dancehall à prova de balas” (Urabá: Dancehall a prueba de balas)

Documentário, Colômbia, 2018, 26 minutos

Direção: Jorge Durán, Lucas Silva

13 de junho

Divulgação em breve 

Curso: “Discursos Acerca das Negritudes Latino-Americanas”

Data: 31/MAIO (segunda-feira)

Hora:  Das 19h às 21h30

Mesa: Colômbia

Tema: “Diálogos de fronteira: Perspectivas afro-colombianas e negro-brasileiras”

Palestrantes: Stéphanie Moreira e Liliana Angulo Cortés

Data: 01/JUNHO (terça-feira) 

Hora: Das 19h às 21h30″

Mesa:  Argentina   

Tema: “Também somos negros! Argentina e os aportes da população afro

Palestrante: Miriam Gomes

Data: 02/JUNHO (quarta-feira) 

Hora: Das 19h às 21h30″   

Mesa: México 

Tema: “México: racialização e diálogos afro-indígenas”

Palestrante: Bocafloja

Data: 03/JUNHO (quinta-feira) 

Hora: Das 19h às 21h30

Mesa: Brasil   

Tema:” Lélia Gonzalez e a Améfrica Ladina: notas sobre racialização a partir do Brasil” 

Palestrante: Flávia Rios

Categorias

Eventos

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: