Ir para conteúdo

| O Auto da Boa Mentira | Crítica

Em uma história bem-humorada baseada na obra de Ariano Suassuna, O Auto da Boa Mentira traz um filme divertido e despretensioso aos cinemas.

Dizem que mentira tem perna curta. Se isso é verdade, a bichinha corre rápido, viu! Em quatro histórias inspiradas em contos bem-humorados de Ariano Suassuna, cada uma criada a partir de frases do poeta paraibano, conhecemos Helder (Leandro Hassum), Fabiano (Renato Góes), Pierce (Chris Mason) e Lorena (Cacá Ottoni), vivendo diferentes situações em que, ironicamente, a mentira é sempre a protagonista.  

Temos uma história diferente das adaptações já feitas, pois temos quatro histórias diferentes, cada uma, com um elenco e narrativa diferente que não se intercalam ou se cruzam em nenhum momento, há até uma preocupação na fotografia em trazer três tons diferentes. A única coisa que as une, é a mentira dita.

Crédito: Helena Barreto

Todas as narrativas têm um efeito de bola de neve, já que uma mentira desencadeia os eventos a seguir, mas a criatividade dos contos aliados a um elenco centrado, não traz nenhum marasmo ou os mesmo pontos de virada marcados. Elas podem até iniciar da mesma forma, mas fecham de uma jeito inusitado, todas elas.

O elenco é diverso, mas nas quatro histórias há um individualismo da pessoa que conta a mentira e isso faz com que haja interações com o restante do elenco, como já dito, o final é interessante, acabamos nem percebendo que todas começam da mesma maneira.

Crédito: Helena Barreto

O diretor José Eduardo Belmonte (Carcereiros: O Filme) tem um desafio aqui, pois ele tem quatro núcleos separados, então ele busca uma direção segura no sentido de captação de imagens e diálogos, e brinca com os planos e fotografias diferentes aproveitando a deixa causada pela lacuna das histórias. A segunda história é um exemplo, pelos tons escuros e olha que ela se passa em um morro no Rio de Janeiro.

Por cada ator/atriz ter pouco tempo de tela, então temos muitos personagens caricatos, como o gestor tímido, o gringo e a estagiária. Os diversos grupos souberam trazer isso e conseguem transparecer isso com segurança na tela, pena que são tão marcados que depois da exibição podemos até esquecer de um ou de outro.

Crédito: Helena Barreto

Aqui não temos a típica comédia brasileira, cheia de bordões, ações e trocadilhos. Temos sim um filme leve e contido, que busca encantar pela história e envolver o espectador nas falcatruas. E olha que os mentirosos aqui são criativos, temos a mentira social, a mentira pra se dar bem e tantas outras, que mesmo sendo baseadas na obra de Ariano possuem uma dose de realidade.

O tom leve e sem profundidade é o mesmo durante os quatro atos, temos aqui o típico filme que buscamos ver quando queremos uma distração, com um boa história e qualidade de imagem. O Auto da Boa Mentira tem tudo isso, e encanta.

Não temos aqui um primor ou um longa que se sobressai das comédias atuais, mas temos um filme decente, bem executado e que mantém o tom das obras de Ariano mostrando como suas obras conseguem nos fazer sorrir com apenas uma mentira.

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Facebook: facebook.com/naoparecemaseserio

Instagram: @npmes

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: