Ir para conteúdo

| Miss Marx | Crítica

‘Miss Marx’ traz a história da filha mais nova de Karl Marx em uma história que aborda o feminismo e luta de classe. O filme faz parte da programação da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Eleanor é a brilhante filha mais nova de Karl Marx. Ela é uma das primeiras pensadoras a vincular feminismo e socialismo, participando ativamente da reivindicação das mulheres operárias.

Não temos aqui uma obra sobre o socialismo, aqui temos apenas a história de Eleanor, ela usa conhecimento adquirido com o pai para a melhora de vida das pessoas, principalmente mulheres e crianças. Já que ambos trabalham em condições precárias, ganhando centavos por dia.

O filme dirigido e escrito por Susanna Nicchiarelli não usa a militância comum do regime como ato condutor, e sim a força de Eleanor (Romola Garai) para mostrar os problemas e como ela, do seu jeito, tenta consertá-los. Seja em um chão de fábrica ou em uma conversa entre os amigos(as).

Foto: Divulgação

Se imagina que a história será sobre uma mulher forte, guerreira e destemida, mas há algumas oscilações vistas durante a obra que prejudicam este resultado final, como a falta de grandes cenas e diálogos. O longa tem uma base forte, mas trabalham os pontos apresentados com pouco aprofundamento.

Eleanor tem boas ideias, muitas delas, a frente do seu tempo, é interessante ver essas ideias em um longa, faltou apenas as consequências e se elas deram certo de alguma forma. ‘Miss Marc’ começa com muito potencial para uma grande história, mas aos poucos acaba perdendo sua força.

O longa acerta ao mesmo no lado humano de personagens apresentados, deixando claro, suas personalidades e formas de agir. Podemos perceber elementos da sociedade da época, nas falas, nos coadjuvantes e nas suas ações. Algumas vezes não precisamos nem de uma fala para entender do que se trata, mas novamente temos aqui o principal problema do longa, onde estes elementos perdem força ao longo do tempo.

Foto: Divulgação

A trilha sonora faz um contraste na obra, já que a diretora coloca punk rock em algumas cenas, mas usa refrões bem marcados como se explicassem o que ocorre na tela, este uso diferenciado das músicas, mostra que os conceitos feministas mostrados por Eleanor repercutem até hoje. Estes momentos de cenas de época e punk criam estranheza no começo, mas quando entendemos a proposta diferente, chega a ser divertido ver as diferenças.

‘Miss Marx’ é o típico filme que parece mostrar uma personagem feminina forte, para que as meninas se espelhem, isso até ocorre nos primeiros atos, mas o ritmo lento e algumas escolhas ‘noveslescas’ do roteiro fazem a força feminina se esvair. Tem boas ideias, faltou apenas sustentá-las

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Facebook: facebook.com/naoparecemaseserio

Instagram: @npmes

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: