Ir para conteúdo

| Vou Nadar Até Você | Crítica

 

Confira a crítica de ‘Vou Nadar Até Você’

Bruna Marquezine faz sua estreia nos cinemas, no longa ‘Vou Nadar Até Você’. A atriz traz vida a Ophelia, moradora de Santos-SP, que descobre que seu pai biológico está  em Ubatuba-SP de depois de anos no exterior. Para isso ela resolve ir a nado de uma cidade a outra.
O filme também marca a estreia do fotógrafo Klaus Mitteldorf na direção, e conforme avançamos na história, percebemos o quão este longa irá beber da fonte da fotografia. O diretor usa e abusa das suas habilidades conhecidas na fotografia.
Vou Nadar Até Você usa toda a força que Bruna já mostrou em trabalhos anteriores, com o diferencial de mostrar versatilidade da atriz, pois o longa tem alguns pontos de virada, e isso demanda da protagonista. Ela correspondeu traz uma aura da inocência e ao mesmo tempo amadurecimento a Ophelia.

 

Percebemos que o diretor não irá renunciar sua assinatura neste novo trabalho, as cores bem marcantes, a nudez justificada e enquadramentos que transmitem informações. Vou Nadar Até Você transmite sua essência e podemos ver fotografias que remetem ao seu trabalho, inclusive até mesmo a profissão dos protagonistas tem relação com a fotografia.
A narrativa aqui, não possui surpresas, mas é bem executada, com uma escolha de trilhas que sabem extrair o que a cena transmite. Pode não ser diferente, mas é competente. Sabendo principalmente modificar a narrativa para dar o ritmo que um filme como este precisa ter.
Por mais que o desgaste físico de uma travessia como essa seja o foco, mas a temática aqui são autodescobertas e amadurecimento de uma jornada de vida, o roteiro do próprio diretor e de Nina Crintzs (A Noite da Virada) tratam com destes temas como elementos de fundo, mas sem se perder ao longo do caminho.
O longa também aproveita bem o elenco de apoio para mostrar diferentes pontos da história e mudanças de comportamento. Nossos destaques ficam a cargo de Peter Ketnath (Tedesco) que têm a maiores mudanças durante a trama e Fernando Alves Pinto (Smutter) cujas interações com a protagonista são fundamentais.
‘Vou Nadar Até Você’ é o filme de abertura do projeto ‘Projeta às Sete’ 2020, que foi ampliado neste ano, parceria entre Cinemark e Elo Company que traz filmes nacionais com preços promocionais.
Nota: 3/5
Saldo: Filme seríssimo
Facebook: facebook.com/npmes
Instagram: @npmes

 

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Um comentário em “| Vou Nadar Até Você | Crítica Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: