Cinema, Crítica de Filme

| O Pacto | Crítica

A busca por realizações pessoais é um grande percalço, O Pacto mostra isso com uma história cheia de empatia e realidade. Confira a crítica completa.

Pagten Directed by Bille August Produced by Karin Trolle & Jesper Morthorst Photo Credit Rolf Konow is a must

Todos buscamos o nosso espaço, seja para melhora pessoal ou profissional. Esse é o grande arco apresentado em O Pacto de Bille August (Um Homem de Sorte), que também fala do papel dos mentores que temos em nossas vidas.

O poeta Thorkild Bjørnvig (Simon Bennebjerg) é casado e possui um filho, sua vida pessoal é boa, digamos assim, mas ele não alcançou o mesmo auge profissionalmente, inclusive ele se encontra sem um emprego fixo no começo da história. mas o encontro com Karen Blixen (Birthe Neumann) muda sua perspectiva.

O roteiro de Christian Torpe baseado no romance escrito por Thorkild, traz a mentoria como um dos elementos, mas o arco pessoal do protagonista é o grande destaque. As interações acabam sendo pontuais,  mesmo mudando a trama , não é foco da trama.

Pagten Directed by Bille August Produced by Karin Trolle & Jesper Morthorst Photo Credit Rolf Konow is a must

A filmagem de época reflete a personalidade do período mostrado, temos um drama contido e com temas esperados. A troca respeita a realidade do período, então não espere toques de modernidade.

A escolha de dar prioridade no arco pessoal, traz sentimentos e desdobramentos para gerar empatia ao espectador, principalmente sobre alcançar seu sonho profissionalmente. E quais limites que um mentor pode chegar.

Mesmo com histórias pessoais, a trama é centrada e previsível, não que seja ruim ou de baixa qualidade, mas ela não tem uma grande surpresa ou reviravolta memorável. 

A mentoria prometida é contida, mas sabe utilizar temas importantes, como a doença de Karen, a importância de deixar um legado e principalmente, de passar seu conhecimento adiante. 

Pagten Directed by Bille August Produced by Karin Trolle & Jesper Morthorst Photo Credit Rolf Konow is a must

Sua forma de ensinar é diferente, mas não possui uma abordagem dura como Whiplash (2014) ou uma perspectiva de professora que busca entender melhor o seu aluno, como Escritores da Liberdade (2007). Aqui a intenção é trazer novas informações do que uma lição de moral em si. 

O pensamento de sucesso e reconhecimento atormenta o protagonista,  para justamente falar das dificuldades, percalços pelo caminho. A perseverança mostrada é intensa. E como nos cercar de pessoas que nos apoiam é importante e nos molda.
O Pacto não é um filme transformador, mas entrega o que promete, e o fato de se importar mais com o arco do protagonista do que a jornada de relação com a mentoria é o grande destaque. E mesmo sendo um filme de época, sabe trazer assuntos relevantes e com uma camada de realidade que impressiona.

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Me acompanhe nas redes sociais: Facebook / Instagram / Twitter

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s