Cinema

| Transflorestar – ato l | Filme será apresentado na FLIP

A cantora, compositora e poeta Iara Rennó estreia seu primeiro filme, “Transflorestar – ato l”, na 19a Festa Literária Internacional de Paraty, realizada entre 27/11 e 05/12.

A cantora, compositora e poeta Iara Rennó estreia seu primeiro filme, “Transflorestar – ato l”, na 19a Festa Literária Internacional de Paraty, realizada entre 27/11 e 05/12. A primeira parte da obra híbrida, que reúne elementos de show, performance e videoarte, será exibida no dia 04 de dezembro, às 16h, no programa principal da Flip. Com direção, roteiro e atuação de Iara Rennó, montagem e videoarte de Mary Gatis, direção de arte de Alma Negrot e participações de Curumin e Ed Trombone, o filme apresenta músicas inéditas, amalgamadas com poesia falada e falas documentais.

No filme de 30  minutos, Iara revê o mundo através da floresta enquanto promove diálogos entre música, poesia, artes visuais e corpo, sob a temática da construção de um novo paradigma cosmogônico. Uma subversão do antro-falo-eurocentrismo e da suposta supremacia do pensamento cartesiano sobre o sentir. Com a floresta como via, “Transflorestar” busca tecnologias ancestrais no reino vegetal e nas forças míticas, pela saúde do indivíduo-mundo como um organismo único.

Nhe’éry (pronuncia-se nheeri), tema da Flip deste ano, é como o povo Guarani chama a Mata Atlântica, uma denominação que revela a pluriversalidade da floresta. Como explica o cineasta e liderança do povo Guarani Mbya, Carlos Papá, Nhe’éry quer dizer “onde as almas se banham”. Além disso, Nhe’éry também conduz mensagens através de fios de palavras, que enlaçam a literatura, essencial para se pensar o mundo e as relações entre humanos e não humanos. “Transflorestar” é a manifestação da natureza na profusão de sons, imagens, palavras-adubo e alimento. Um lugar no qual as almas possam banhar-se e o espírito possa expandir-se para o todo. É ser floresta e florescer.

Na narrativa, músicas e textos reverberam esse conceito, seja saudando as forças imemoriais dos Orixás das matas, seja nas parcerias com Thalma de Freitas, Ava Rocha, Jaider Esbell, Tetê Espíndola e Alzira E. O enredo encontra inspiração nos relatos de Davi Kopenawa, em “A Queda do Céu”; nas falas de Ailton Krenak; em composições sobre fragmentos de textos de Eduardo Viveiros de Castro e nos ecos de Makunaimã no “Macunaíma”, de Mário de Andrade. O filme incorpora também a possibilidade de um “(M)otherworld”, legado da filósofa burquinabesa Sobonfu Somé, e a perspectiva decolonial linguística proposta por Lélia Gonzalez em “Améfrica”. Tudo num universo mítico e onírico habitado por Xapiri e Orisá, no qual as raízes da Yãkõana e do Iroko encontram-se sob o Oceano Atlântico.

Serviço

“Transflorestar – ato l”, filme de Iara Rennó, estreia na FLIP 2021 

Dia 04 de dezembro (sábado), às 16h

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s