Ir para conteúdo

| Amor, Casamentos e Outros Desastres | Crítica

Em um filme fofo que fala de vários tipos de amor, Amor, Casamentos e Outros Desastres chega aos cinemas essa semana para quem busca um filme sem pretensões e leve.

Um grupo de personagens busca o amor sincero e a felicidade. Jessie (Maggie Grace) é contratada para organizar um casamento grandioso, e vê a chance de sua carreira, finalmente, decolar. Lawrence (Jeremy Irons) havia desistido do amor, mas seus amigos arrumam de ele se encontrar com Sara (Diane Keaton), uma mulher cega e bem espirituosa. Enquanto tentam resolver seus problemas amorosos, esses personagens e todos que os cercam, percebem que não existe o romance perfeito.

O longa escrito e dirigido por Dennis Dugan (Gente Grande 2) traz uma comédia romântica de uma forma diferente nos primeiros atos, pois os núcleos que vamos conhecendo nas primeiras cenas não se conectam. Então temos alguns cortes de narrativa para apresentar os núcleos pra mostrar as diversas histórias que serão construídas.

Temos núcleos diferentes, para mostrar que o amor é deferente, não só por idade, mas a forma com que você vive faz com que a pessoas acreditem no amor de outra forma. A narrativa vai lentamente mostrando os personagens e sua forma de encarar a vida e seus sentimentos.

Foto: Divulgação

Não temos aqui um grande filme nos quesitos técnicos, a forma com vemos a história é típico das comédias românticas, de cenas abertas, diálogos sem grandes aspectos e aquela aura de amor que preenche todos os atos. Alguns momentos de uma forma individual e em outros momentos temos um grupo se relacionando.

A narrativa não possui grandes riscos e momentos dramáticos, as variações ocorrem nas adições dos personagens, como Sara (Diane Keaton) que mostra um lado não visto de Lawrence (Jeremy Irons), por exemplo, mas quando eles entram na história o ritmo volta a ser o mesmo.

Mesmo não sendo um filme inventivo, mas temos um roteiro que evolve o espectador por justamente conseguir unir todas as histórias de uma forma crível, claro que há alguns buracos, mas nada que chega incomodar. Onde tudo parece se encaixar.

Foto: Divulgação

A fotografia mantém o filme em ambientes claros, com muitos momentos externos para ajudar no sentimento fofo e despretensioso. As cores são vibrantes e coloridas, mesmo nas relações sociais que vão se construindo ao longo da história.

A narrativa gira entorno de Jessie (Maggie Grace), o roteiro a usa como a grande referência para dar apresentar as subtramas, porém tudo ocorre de uma forma dentro do esperado e sem grandes rodeios. Maggie tem um bom tempo de tela, mas como ela não possui uma grande cena, essa sensação fica apenas para quem está ‘ligando’ pontos durante a história.

Amor, Casamentos e Outros Desastres não é um longa ruim, longe disso, entretanto é aquele típico filme de despretensioso que serve como um bom passatempo e ainda consegue emocionar o espectador pela sua aura fofa.

Nota: 3/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Facebook: facebook.com/naoparecemaseserio

Instagram: @npmes

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: