Ir para conteúdo

| Druk – Mais Uma Rodada | Crítica

Em um filme tocante que fala sobre afeto e relações, misturadas a pequenas doses de álcool, ‘Druk – Mais Uma Rodada’ estreia nos cinemas e nas plataformas digitais no dia 25. O longa está indicado na categoria ‘Melhor Filmes Estrangeiro’ e Melhor diretor para Thomas Vinterberg no Oscar 2021.

Para alegrar um colega em crise, um grupo de professores de ensino médio decide testar uma ousada teoria de que serão mais felizes e bem-sucedidos vivendo com um pouco de álcool no sangue. Parece a solução perfeita para quebrar o marasmo de seus dias.

Em uma cena de ‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’ (2008), Bruce Wayne (Christian Bale) está nervoso com a conversa que ele terá na sequência, Alfred (Michael Caine) percebe e lhe oferece ‘Coragem Líquida’ que é uma taça de champanhe. Este fato de nos sentirmos mais confiantes e destemidos com álcool correndo no sangue. Essa narrativa que parece simples é tema de ‘Druk’ que também irá discutir outros temas, com ou sem álcool.

Por se tratar de um experimento de relações e álcool, há uma tentativa de colocar elementos científicos no trabalho entre os amigos, claro que em alguns momentos há aquela ‘perda de controle’, mas é interessante mostrar é que não é simplesmente trabalhar com pequenas doses, há dados para serem avaliados.

Foto: Divulgação

O drama aproveita isso para trabalhar as relações dos professores com seus alunos, família e entre si, já que eles atingem aquele ponto na idade que se perde a vontade de conquista, pois todos tem família e trabalho, não como uma ‘crise de meia idade’, o álcool aqui é chacoalho para mostrar que precisam mudar.

Os atores convencem bem nestas cenas de álcool e são certeiros nos arcos dramáticos, afinal temos que lidar com a ressaca do dia seguinte e com que fizemos ao estar alcoolizado. A trama consegue unir bem estes pontos e Mads Mikkelsen (Hannibal) transita bem entre as narrativas e arcos.

 Claro que um longa que fala de consumo de álcool tem seus momentos de tendência ao alcoolismo e se devem dar prosseguimento ao experimento grave, que é dar aula neste estado, mas o longa se preocupa em mostrar de como podemos ser mais soltos, mais confiantes e seguros quando o corpo e mente relaxam.

Foto: Divulgação

Thomas filma essa história de perto e de uma forma segura, mostrando bem o redor da cena quando um dos adultos estão nela, para deixar claro que você deve prestar atenção no professor e na cena em sequência, já que antes disso sabemos qual o consumo de álcool naquele momento, nada aqui é feito sem as devidas explicações.

Claro que a trama fala de algo que deve ser evitado, como professor levemente alcoolizados, mas o longa diz o seguinte ‘Se o trabalho melhorou, os alunos aprenderam e há controle do que ocorre, continua sendo errado?’ E ele consegue manter essa discussão por todo o filme, até mesmo em momentos duros e dramáticos. Sustentar uma história simples é sempre um desafio, e ‘Druk’ vence (Pedir um brinde a isso, seria errado?).

‘Mais Uma Rodada’ traz uma trama que mostra como o álcool traz o nosso melhor e pior, e que temos que lidar com as consequências de ambas as personalidades, como um adulto responsável deve fazer. Principalmente quando vemos um filme que aborda isso buscando um lado sensível e correto, acima de tudo.

Nota: 4/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Facebook: facebook.com/naoparecemaseserio

Instagram: @npmes

Bruno Simioni Cunha Ver tudo

Biólogo, estudante de jornalismo, cinéfilo e nerd que adora dividir conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: