Sem categoria

| Deus Tem AIDS | Crítica

Em um tom que mescla documentário, relatos próximos e cuidado ao próximo. Deus Tem AIDS fala do vírus preservando o lado humano. Confira a crítica completa.

De maneira franca, o documentário conversa com sete artistas e um médico ativista, todos soropositivos, resgatando a história desta pandemia no país como fala sobre o andamento dela nos dias de hoje, pois o HIV não está nem perto de ser erradicado. O longa também aborda a sorofobia, preconceito sofrido pelas pessoas que vivem com HIV.

O novo trabalho de Fábio Leal e Gustavo Vinagre traz um tema relevante aos telas, e principalmente sabe abordar diferentes pontos para trazer diversas informações ao espectador. E sempre tentando fugir de tom simplista, e algo mais ‘duro’.

Para fazer eles usam os depoimentos como fio condutor, e como trazer uma história diferente, mostrando a sua relação com HIV. O fato de termos pessoas ligadas à arte de alguma forma, temos franqueza e um diálogo sem amarras. 

Por existir poucos pontos que amarram essas histórias, os diretores fazem a troca aos poucos entre elas, com uma montagem rápida, misturada aos relatos do HIV quando havia preconceito sobre os infectados.

O destaque é sobre mostrar que a doença não é um sentença de morte, e sim algo a ser discutido e abordado pela sociedade atual, e como temos um cuidado quase que didático em explicar possíveis pontos problema, o longa pode ser usado como um ferramenta de ensino, apenas deve-se tomar cuidado com as cenas de nudez.

Para quem conhece os trabalhos dos diretores, conhece as intervenções que ele realiza, e principalmente deixa o entrevistado transitar fora do plano pensado. Mesmo com um tema delicado, a sua forma de filmar é a mesma.

Os depoimentos que mais parecem conversas informais, mantém a trama principal dentro do escopo real, mesclando as emoções conforme os assuntos vão surgindo, de como cada um tem a sua relação com o vírus, o documentário flui bem, mesmo com alguns problemas de cortes secos em alguns momentos. 

A gama de olhares para o mesmo ponto, carrega a riqueza de pontos de vistas e como cada soropositivo tem sua própria história. E como não temos um olhar de pena ou de penitência, o documentário traz vida e verdades, em cada um dos personagens.

A opinião médica poderia ter mais espaço, e ser um pouco mais abrangente, já que as histórias trouxeram a riqueza, o contraste entre os dois funcionou bem, não seria nenhum grande problema, mais tempo da medicina.


Ao fugir do básico, e focar no que as pessoas que têm o vírus contam, Deus Tem Aids aborda o tema, fugindo dos clichês do documentário, com o enfoque nas pessoas e principalmente, falando de vida.

Nota: 3,5/5

Contato: naoparecemaseserio@gmail.com

Me acompanhe nas redes sociais e no canal Youtube / Instagram / Tiktok / Facebook

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s